Fallout New Vegas é um RPG (roleplaying game) da série de jogos “Fallout” situado numa América pós-apocalíptica, mais especificamente no estado de Las Vegas. Foi desenvolvido pela Obsidian Entertainment e publicada pela Bethesda Softworks para as plataformas Microsoft Windows, Playstation 3 e Xbox 360 em outubro de 2010. Apesar de ter um estilo gráfico e uma jogabilidade semelhante ao seu predecessor (Fallout 3) é bastante diferente deste assumindo um lugar de destaque na saga “Fallout”. Foi bem-recebido, tendo uma pontuação global de [Metacritic] 84/100 (Xbox 360), 82/100 (PS3) e 86/100 (PC).

É possível encontrar o jogo à venda em várias plataformas digitais (Steam, GOG, entre outras) e pode ou não estar disponível em lojas físicas (visto que é um título relativamente antigo).

HISTÓRIA

A história é uma das partes principais do jogo, mas que pode ser ignorada pelo jogador se este o pretender, dando origem a uma experiência mais “sandbox” num mapa aberto à exploração, com várias localizações interessantes e com muita história e “lore” por detrás de cada uma. É uma história que dá a oportunidade ao jogador para definir os seus objetivos e o que quer fazer com a sua personagem, tudo dentro de uma narrativa mais ou menos fechada que permite alguma flexibilidade. Tudo o que o jogador faz reflete-se no comportamento do mundo e a maneira como certas situações se desenrolam, provocando até consequências indesejadas e bastante surpreendentes. O final do jogo pode ser diferente consoante as ações levadas a cabo pelo jogador ao longo da sua viagem, o que significa que existem várias maneiras de explorar o ambiente e as personagens, sendo todas elas distintas umas das outras.

Como anteriormente dito, a história desenrola-se na América pós-apocalíptica, mais especificamente no ano de 2281, 200 anos após a devastação nuclear da América e possivelmente do planeta Terra. Cidades icónicas como New York e Washington D.C foram completamente arrasadas pelas bombas e os únicos sobreviventes daquela tormenta foram aqueles que conseguiram entrar num dos vários “Vaults” espalhados pela América. Os “Vaults” eram bunkers reforçados criados pela “Vault-Tec” com o objetivo de proteger a humanidade no caso da aniquilação nuclear.

O jogador assume o papel de um moço-de-recados encarregado de entregar um “Platinum Chip” ao Mr. House, o fundador e dono de New Vegas (criada em cima das ruínas de Las Vegas) que depois é intersetado por Benny, o líder do grupo “Chairman”, donos de quase todos os casinos de New Vegas e colaboradores de Mr. House. Benny depois vai-se apropriar deste “Platinum Chip” …

Screenshot de uma paisagem icónica, mostrando um dos vários cartazes publicitários presentes ao longo do jogo. ©WallpapersWide.com

SOM

A banda sonora é muito “western” e “jazz” combinando com o tema do jogo e com as sensações que são transmitidas ao jogador. Ao jogar, a música da rádio pessoal da personagem, a música de fundo e os efeitos que representam as várias sensações que a personagem está a ter naquele preciso momento contribuem para uma maior imersão do jogador naquele universo fictício.

O design sonoro está muito bem feito e adequa-se muito bem ao ambiente representado. Os sons das várias armas, armaduras, habilidades etc… encaixam bem com o uso que elas têm no jogo, nunca havendo dúvidas de que estamos a pegar numa arma de alto calibre ou a usar uma armadura pesada.

GRÁFICOS e FÍSICAS

Sendo um jogo de 2010, será de esperar que os gráficos não sejam muito foto-realísticos em relação aos atuais (2018), mas para a altura, utilizando a tecnologia disponível (tal como o Havok Physics Engine) o jogo está muito bem em termos gráficos, apesar de que nas consolas é ainda mais visível a desatualização gráfica do que no PC. Os modelos e as texturas são bastante pormenorizadas e com detalhes surpreendentes, no entanto, algumas animações são pouco naturais e demasiado forçadas especialmente ao correr ou ao saltar.

As físicas, tal como os gráficos, não são realistas, no entanto adequam-se muito bem ao jogo e contribuem bastante para dar uma certa personalidade ao ambiente e à atmosfera do mesmo. Isto confere-lhe um certo carisma e um certo charme, tornando-se numa experiência única e memorável, podendo até invocar alguns sentimentos de nostalgia.

JOGABILIDADE

Existe um sistema de “skills” e de níveis, em que cada “level-up” permite desbloquear uma nova habilidade e, dependendo da vontade do jogador, pode ser gasta no que o jogador quiser de maneira a construir a sua personagem, à sua maneira. Nesse sentido, existe uma grande liberdade de escolhas e de modos de jogar, desde o uso da violência como arma para resolver todos os conflitos ao uso da persuasão e da diplomacia ou do comércio para atingir os nossos fins desejados.

A jogabilidade pode ser esquisita para alguns, em especial quem nunca jogou nenhum “action-RPG” seriamente, mas não é de qualquer modo difícil. É muito à base de modificadores e de efeitos que podem afetar a personagem, quer para o bem, quer para o mal. Um exemplo disto é o uso de certos tipos de armadura ou de roupa que conferem diferentes atributos ao jogador como melhores reflexos ou mais força. Isto pode provar-se útil em certas situações onde convém ser melhor a um certo atributo, como a persuadir alguém ou a intimidar alguém.

O combate pode, por vezes, ser lento e, outras vezes, ser muito caótico e acelerado, tudo dependendo da área em que o jogador se encontra, inimigos que o mesmo está a combater ou do uso que o jogador der a um sistema especial de combate chamado “V.A.T.S”. “V.A.T.S” significa “Vault-Tec Assisted Targeting System” e, como o nome indica, é um sistema que pausa o tempo do jogo de forma a dar aos jogadores a opção de atacar certas regiões do corpo do inimigo, para o poder neutralizar ou incapacitar de várias formas. Cada ação efetuada nesse sistema vai custar pontos de “AP” (Action Points) e quando a personagem não tiver mais pontos ela não vai conseguir selecionar e atacar cada parte individual do corpo. É uma mecânica que pode não ser para todos mas é característica notável do “Fallout” e ajuda a distinguir esta série de vídeo jogos.

Screenshot de uma das áreas principais (New Vegas Strip) ©Fallout Wiki – Fandom

CONCLUSÃO

Em conclusão, Fallout New Vegas é um jogo que, apesar de já ter 8 anos (quase) e apresentar um estilo, no global, antiquado, ainda se mantêm muito bem nos dias de hoje. Esses mesmos recursos, antigos e desatualizados, proporcionam uma experiência icónica e singular, impossível de conseguir recriar. Para além duma qualidade de construção muito boa (desprezando alguns “bugs” e “glitches” normais neste tipo de jogos) e duma representação fiel do universo “Fallout”, New Vegas é também um ótimo RPG que nos atrai incessantemente ao universo que nele existe.

Gonçalo Chaves
O mundo do gaming e da tecnologia foi, desde sempre, uma grande inflluência na minha vida, mudando muitas vezes o meu ponto de vista acerca do mundo e da forma como encaramos as coisas. Este gosto incansável por tudo (ou quase tudo) relacionado com tecnologia e a inovação tecnológica é um dos pilares que me move e que origina os vários artigos presentes aqui no site.

1 COMENTÁRIO

Comentários

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.